sexta-feira, 13 de maio de 2011

Com que taça eu vou?

Se você está iniciando no mundo dos vinhos, é provável que já tenha se visto em frente de uma prateleira com diversas taças e pensado: "Por que tantas diferentes?"
Existem muitas taças com formatos diferentes porque temos que tirar o melhor proveito de uma garrafa de vinho, pois os recipientes foram desenvolvidos para conduzir a bebida para a boca e o nariz de maneira a realçar cores, aromas e sabores do fermentado.
Primeiro, vamos prestar atenção ao material da taça que deve ser completamente transparente. Basicamente existem três opções: de cristal, cristal de vidro ou vidro. As de cristal de vidro têm teor de chumbo diferenciado, que dá leveza, delicadeza e sonoridade, além de deixar as taças com menos espessuras.
Para os serviços do vinho de modo geral, as taças devem ser de boa qualidade, incolores e lisas, para tanto existem taças adequadas ao tipo de vinho, basicamente o apreciador precisa ter até cinco tipos de taças em casa: duas para vinhos tintos, uma para vinhos brancos e roses, outra para espumantes e uma última que servirá como "coringa" que foi desenvolvida para degustação técnica e que serve para todos os tipos de vinho.
Para vinhos tintos:

Bordeaux: feita para vinhos tintos mais encorpados e ricos em taninos. Possuem bojo grande, com borda mais fechada para evitar dispersão de aromas. Indicada para Cabernet Sauvignon, Cabernet Franc, Merlot, Syrah, Tannat.

Borgonha: taças com formato balão para que haja mais contato com o ar permitindo que o buque de aromas se libere mais rapidamente. Indicada para Pinot Noir, Vinhos da Rioja tradicional, Barbera, Barricato, Amarone, Nebbiolo.
Para vinhos brancos:
As taças têm o corpo menor que as do vinho tinto, pois o vinho branco precisa ser consumido em temperaturas mais baixas e em um recipiente menor, que permita menos troca de calor com o ambiente.
Para espumantes:

A taça adequada é a flutê, que permite que a perlage da bebida seja apreciada. Direciona a efervescência e os aromas para o nariz, controlando o fluxo acima da língua mantendo o equilíbrio entre a limpeza da acidez e a saborosa profundidade.
Taça ISO:

É a taça "coringa", sendo utilizada para degustações técnicas, para manter uma referência entre diversos tipos de fermentado. Com bojo maior e mais fechado na parte de cima, é boa especialmente para a parte aromática e indicada para quem vai começar o seu acervo.

*Escrito pelo Sommelier Célio Mello.

← Postagem mais recente Postagem mais antiga → Página inicial

2 comentários:

Evelyn disse...

Parabéns pelo texto, meu amigo! Que seja o primeiro de muitos!! Sucesso, sempre! Um beijo, Evelyn
(www.tacaserolhas.blogspot.com)

Natalia Campagnoli disse...

Sensacional! Aiii sim eu dou valor!
Parabénsss Céliooo!!! =)