REFRIGERADOR GORENJE SWAROVSKI ELEMENT.

A Center Garbin expõe em seu showroom o famoso refrigerador da Gorenje.

ASTON MARTIN CONVOCA TOM BRADY PARA NOVA COLABORAÇÃO.

O nome de Tom Brady tem sido um dos mais comentados dentro e fora de campo após vencer um dos mais emocionantes jogos do Superbowl..

HARRODS TRAZ ÁGUA LUXUOSA VINDA DE ICEBERG NORUEGUÊS.

Você gostaria de experimentar uma água pura vinda de um iceberg derretido?

LOUIS VUITTON É NOMEADA MAIS UMA VEZ A MARCA DE LUXO MAIS VALIOSA DO MUNDO.

A Louis Vuitton pelo décimo ano seguido é a marca de luxo mais valiosa do mundo.

HERMÈS CONTA A HISTÓRIA DE SEUS PERFUMES COM 8 NOVOS PERFUMES.

A Hermès lançou uma coleção de oito perfumes exclusivamente artesanal que narra toda a história de suas fragrâncias anteriores.

sexta-feira, 31 de agosto de 2012

Os lançamentos do mercado

Por @nielsenbr
Hoje começamos com uma pergunta para o consumidor final: com que frequência você encontra produtos rotulados como "lançamentos" nos supermercados? Provavelmente, a cada compra do mês, você encontra pelo menos uma novidade. Um estudo realizado pela Nielsen apurou que, a cada ano, cerca de 15 mil novos produtos passam a disputar um lugar nas prateleiras dos mercados.
A vantagem para quem vende em meio a tanta inovação é que o ponto de venda (PDV) sempre terá novidades. Ter itens novos na loja ajuda o varejista e a categoria a manterem uma boa imagem. A desvantagem acaba sendo o limite físico das lojas, afinal, o comerciante precisa tirar algum produto que já conquistou clientes para lançar a novidade na prateleira.
Uma dica para ajudar o varejista a decidir se o novo produto deve ou não ganhar espaço na gôndola é observar se o item traz algum diferencial para o consumidor. "O produto precisa se destacar em relação à concorrência e deve atender às necessidades reais do cliente", reforça Luciana Morelli, Gerente de Consumer Research na Nielsen Brasil.
Vale lembrar que a maior parte das vendas acontecerá em função do período de experimentação, no qual o consumidor testa a novidade. O desempenho vai variar de acordo com o plano de marketing do fabricante (investimento na ativação do lançamento dentro ou fora do PDV). Luciana conta que é normal que as vendas se acomodem ou voltem a patamares regulares da categoria após o período de experimentação. "Alguns clientes seguirão comprando o novo item e outros podem voltar para o seu produto habitual", exemplifica a gerente.
É bastante comum que fabricantes e varejistas apoiem um novo produto na fase de lançamento e depois deixem de investir. Ainda assim, os consumidores precisam ser estimulados constantemente e novos shoppers precisam ser atraídos, caso contrário, a tendência é o declínio das vendas.

quarta-feira, 29 de agosto de 2012

Não sabe onde estacionar o carro no seu prédio? Que tal na sala de estar?

Quem mora em prédio sabe a luta que é ter um lugar para estacionar o carro. A maioria dos prédios possui garagens subterrâneas apertadas e abarrotadas de veículos que brigam por cada milímetro de espaço. Causando um enorme problema em relação ao espaço e nos deixando vulneráveis a aqueles vizinhos ruins de direção. Pensando em resolver estes problemas, o prédio de apartamento Hamilton Scotts é o primeiro a oferecer em Cingapura o “En Garagens Suíte Sky”, que emprega um elevador que leva o automóvel até o apartamento do proprietário e o estaciona em uma vaga envidraçada que fica ao lado da sala de estar.

O sistema é inovador, porém, muito simples de ser operado. Chegando ao prédio o motorista só precisa entrar em uma vaga, sair e colocar o seu dedo polegar em uma máquina de verificação biométrica, o sistema será colher as informações e mandar o automóvel ao apartamento cadastrado.
O prédio oferece 54 apartamentos de 3 suítes e 2 vagas de garagem que estão sendo vendidos por US$ 7,5 milhões e duas coberturas com 4  suítes e 4 vagas de garagem que serão vendidos por US$ 24 milhões cada. Se você ficou impressionado com a descrição do elevador, espere até ver ele em ação no vídeo do TODAYdigital abaixo.

sexta-feira, 24 de agosto de 2012

Celular com internet: você vive sem?

Por @nielsenbr
Aproveite alguns minutos do seu horário de almoço e observe quantas pessoas você vê pela rua com o celular na mão. Cada dia é mais comum ver as pessoas usando o aparelho o tempo todo: seja para fazer ligações, enviar torpedos ou acessar a internet. O fato é que o mercado de telefonia móvel cresce aceleradamente - e a população está cada vez mais dependente dessa tecnologia.
Prova desse crescimento acelerado está nos dados apurados pela Nielsen: no primeiro semestre de 2012, 55% das vendas de celulares eram de aparelhos que permitiam navegar pela web. Em comparação, durante todo o ano anterior, essa relação era de 49%. Porém, a maior parte desses aparelhos ainda tem tecnologia intermediária. Somente 12% das vendas totais correspondem a modelos que permitem o download de aplicativos e carregam sistemas operacionais como Android, iOS ou Windows.
De acordo com Thiago Moreira, diretor de Telecomunicações na Nielsen Brasil, a escolha por celulares mais simples - os chamados webphones - se dá porque mais de 70% dos brasileiros têm linhas pré-pagas, portanto apenas uma pequena parcela dos celulares pode ser fidelizada pela operadora com base no subsídio do aparelho. "Em mercados como o dos Estados Unidos, onde os smartphones já representam dois terços das vendas de novos aparelhos, o consumidor leva o aparelho quase de graças", completa.
Do ponto de vista do diretor, o que incentiva o consumidor brasileiro a investir em um webphone ou smartphone são os planos de internet lançado pelas operadoras. "Para quem tem celular pré-pago, os planos com acesso à internet custam em torno de 15 reais, e é o baixo custo que atrai o cliente a comprar um aparelho melhor", explica Moreira.
Além do valor acessível dos planos para acessar a internet, a necessidade de ficar conectado a qualquer hora e lugar também impulsionou o crescimento das vendas dos celulares com acesso à web. No Brasil, 63% assumem que acessam a internet pelo aparelho móvel mais de três vezes por dia.
Dos brasileiros usuários de smartphones, 38% assumem que usam mais de 21 aplicativos. Entre eles, as categorias variam: de games (68%), redes sociais virtuais (67%), música (63%) e fotografia (54%). Quanto ao acesso à internet, 81% entram nos sites das mídias sociais, 56% em portais de busca, 50% em sites de vídeo e 28% em portais de notícia.
Voltando à nossa reflexão inicial: atualmente, é fácil ficar sem celular com internet?

quinta-feira, 23 de agosto de 2012

Romain Jerome PacMan.

Após trazer a série nostálgica de games Space Invaders em uma edição limitada para os seus modelos de relógios, a Romain Jerome revisita novamente os anos 80 para lançar a sua mais nova edição que promete mexer com as cabeça de muitos geeks por ai.
O Romain Jerome PacMan é um edição limitada em 80 peças que foi produzida em parceria com a NAMCO BANDAI Games Inc.; disponível em 4 versões com 20 peças cada, os modelos foram produzidos em um case de 46 milímetros em aço fundido com as peças da nave Apollo 11 e os icônicos personagens do game forma criados nas hastes de discagem. 
As quatro versões serão lançadas exclusivamente na Colette, em Paris entre os dias 03 e 08 de setembro e estará disponível para a compra nos outros pontos de venda da Romain Jerome a partir do dia 10 de setembro.

Maria Sharapova lança linha de doces de luxo.

No dia 20 de agosto, a tenista russa Maria Sharapova lançou na rede varejista high-end Henri Bendel a sua nova linha de doces de luxo.
Sugarpova traz uma variedade com 12 iguarias de goma coloridas com nomes funky e embalagem com grafismos modernos. Entre eles estão os pequenos lábios chamados de "Flirty: Lips like sugar", alguns acessórios que foram chamados de "Chic: Some style for your smile" e o "Sporty: The taste of victory" que é  em formato de bola de tenis e já está esgotado. Os doces são vendidos em embalagens unitárias por US$ 5,99 ou em pacote com 12 gomas vendidos por US$ 49,90.
Já disponível nos EUA, os doces coloridos Sugarpova também podem ser encomendados através do site http://www.sugarpova.com/ e parte do faturamento será doado à fundação de Maria Sharapova que é dedicada a ajudar crianças ao redor do mundo.

sexta-feira, 17 de agosto de 2012

O crescimento do Canal Farma

Por @nielsenbr
Há algum tempo os leitores encontram notícias positivas nos jornais sobre o atual cenário de consumo no Brasil. Não é atoa que o país ocupa o sétimo lugar no ranking mundial sobre Confiança do Consumidor, segundo pesquisas realizadas pela Nielsen.
Alguns fatores impulsionam essa ascensão como o incentivo do governo ao consumo interno, aumento da oferta de emprego formal, crescimento da expectativa de vida e maior presença da mulher no mercado de trabalho.
Esses mesmos fatores estimularam o bom desempenho dos canais de venda. Em 2011, a Nielsen Brasil apurou que as Drogarias venderam três vezes mais do que a média de todos os canais auditados. O crescimento desse canal se deve a convergência de vários impulsionadores que estão transformando o comportamento de compra do brasileiro.
Vale lembrar que esses impulsionadores que regem a conduta do consumidor são: bem estar, praticidade, sofisticação e indulgência. Essas quatro forças são válidas nas Drogarias, especialmente para o público feminino. "A maior presença das mulheres no mercado de trabalho, mais informadas, exigência", relata Olegário Araújo, diretor de atendimento ao varejo na Nielsen Brasil. 
As principais forças atuantes na conduta do consumidor (citadas anteriormente) têm papéis específicos nas drogarias. O primeiro fator está relacionado à saúde e à estética; o segundo apresenta um leque de produtos dentro do canal que tornem a vida do consumidor mais prática, assim como a conveniência para realizar suas compras; a sofisticação tem relação com o fato de apresentar itens com valor agregado; e por último, a indulgência, permite que o shopper se presenteie com produtos diferentes.
Segundo Araújo, a tendência deve se manter nos próximos anos. "Uma vez que as forças que impulsionam transformações no comportamento do consumidor continuarão nos anos seguintes, o crescimento das Drogarias também se manterá", afirma o executivo. 

quarta-feira, 15 de agosto de 2012

Surgem às primeiras imagens do novo Range Rover Vogue 2013.

A Land Rover apresentou hoje a quarta geração do seu modelo Range Rover Vogue, que passou por um facelift para encarar as ruas em 2013 e ficar um pouco mais parecido com o seu irmão menor, o Evoque.
O novo Range Rover também chegará mais leve, aproximadamente 420kg, graça a sua nova estrutura unibody em alumínio que o deixou 39% mais leve de que seu antecessor. O seu interior também foi modificado e seu painel ficou mais limpo, mas mantem o luxo com a combinação do aço com a madeira e couro e ainda ganhou mais 4,7 centímetros para as pernas.
A motorização continua a mesma, com o seu motor Supercharged V8 a gasolina e o TDV6 e TDV8 diesel, porém, com alguns ajustes que o tornaram mais econômicos.
A especificação completa e o preço de cada versão serão liberados apenas antes do lançamento oficial no Paris Motor Show no mês que vem e a comercialização começará no início de 2013.

sexta-feira, 10 de agosto de 2012

Boca a boca é mais confiável.

Por @nielsenbr
Hoje em dia é comum pedir a opinião de pessoas antes de comprarmos um produto novo, para ter um parâmetro e decidir se será uma boa compra ou não. Nesse caso, quem você procura primeiro?
Um estudo sobre Confiança em Publicidade, realizado pela Nielsen, apurou que 92% da população global prefere acreditar nas recomendações dos amigos. O fato de já conhecer as pessoas que estão recomendando algum produto ou serviço colabora para que o boca a boca seja meio de indicação mais confiável.
Além disso, o boom das redes sociais facilitou a divulgação da experiência do consumidor. O importante é levar em conta o que é dito pelos próprios amigos para evitar aborrecimentos. Afinal, quem vê críticas sobre algum produto ou serviço na internet e ainda assim o adquire?
A possibilidade de poder acompanhar em tempo real o que os amigos dizem nas redes sociais fortalece a divulgação boca a boca. "As redes sociais se tornaram uma ferramenta muito forte e eficiente", afirma Thiago Moreira, diretor da Telecom da Nielsen Brasil.
Não é a toa que as marcas estão cada vez mais preocupadas com o que é dito sobre elas na internet. Atualmente, com as mídias sociais, as empresas estão expostas e quem tem o controle são os consumidores. "Quanto mais atenção for dada nesses meios, melhor para a imagem da marca, pois irá minimizar qualquer tipo de aborrecimento para a empresa e para o consumidor", aconselha Moreira.

quinta-feira, 9 de agosto de 2012

Vertu Constellation Black Neon.

A Vertu acaba de apresentar a sua nova edição para o modelo touchscreen, Constellation. Assim como todos os aparelhos Vertu; o Costellation Black Neon foi produzido à mão por um único artesão em couro perfurado, fibra de carbono e rubis.
Disponíveis em neon azul ou laranja, o seu design lembra um carro esportivo de luxo, decorado em couro perfurado com toques em neon coloridos sobre o PVD de aço inoxidável, a sua tela touchscreen continua com 3,5 polegadas em cristal de safira polida e finalizado com um rubi na tecla do obturador da câmera de 8 megapixels. 
O modelo também conta com o serviço Vertu Concierge 24 horas que podem organizar qualquer coisa, desde reservas em restaurantes até experiências que o dinheiro não pode comprar!

sexta-feira, 3 de agosto de 2012

O investidor brasileiro.

Por @nielsenbr

"Conservadores e desconfiados". Essas são as palavras que definem o perfil do investidor brasileiro, segundo um estudo global da Nielsen chamado "Atitudes de Investimento". Um dos dados que comprova esse comportamento é o fato de apenas 16% da população do país confiar em informações concedidas por conselheiros financeiros.
Globalmente, a confiança em especialistas financeiros é de 20%. Ela é vencida pela autoconfiança, que ao redor do mundo é de 49%. Depois disso, há a confiança em amigos e familiares e, nesse aspecto, a América Latina com um índice de 21%) é a região que mais confia em pessoas próximas para saber o que fazer com o dinheiro.
De toda a América Latina, o Brasil é o país que mais investe. No total, 13% dos latino-americanos afirmam investir, já no Brasil esse número sobe para 16%. "O país está à frente da região em virtude dos bons resultados econômicos atingidos nos últimos cinco anos", justifica Claudio Czarnobai, analista de mercado da Nielsen Brasil.
Porém, o investimento do brasileiro ainda fica muito concentrado na cartilha do banco, sem grande diversificação. De toda a população nacional, 42% respondem que guardam o dinheiro em fundos de investimento e 27% investem em ações.
O cenário apresenta uma oportunidade para a atividade econômica ser repensada. Com base, especialmente, nos baixos índices de confiança em conselheiros financeiros e na falta de hábito em investir em outros meios, além dos mais tradicionais (como moeda estrangeira, por exemplo), o setor deve batalhar para conquistar a confiança do consumidor.
De acordo com Czarnobai, a abordagem dos conselheiros não deve ser invasiva, pois pode deixar o assessorado desconfortável. "Ou ainda, o cliente pode pensar que o conselheiro financeiro vai indicar para ele não o melhor investimento, mas aquele que lhe dará o maior bônus", completa.
← Postagens mais recentes Postagens mais antigas → Página inicial